Quais os limites da participaçao do Estadono combate da exploraçao sexual e no trafico de pessoas

MÁRCIO GHELLER

Resumen


Neste artigo algumas considerações críticas à luz da legislação e alguns pensadores sobre a necessidade ou não do Estado, para combater expressões da sexualidade, está discutindo seus limites e quando ele começa a necessidade de força da lei penal, em caso de tráfi co e crimes de exploração sexual.

 

PALAVRAS-CHAVE

A exploração sexual, O tráfi co, A liberdade sexual, Conduta criminosa.

Texto completo:

PDF

Referencias


Dias, M. B. (2011). Diversidade sexual e direito homo afetivo. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Dumont, L. (2000). Homo aequalis. Tradução José Leonardo Nascimento. Bauru: Editora EDUSC.

Foucault, M. (1984). História da sexualidade. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2012). História da sexualidade. Volume II, O uso dos Prazeres (13ª. ed.). Tradução Maria Tereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal.

Habermas, J. (2010). O Futuro da Natureza Humana. 2ª. ed. Tradução Karina Jannini.

São Paulo: Editora wmfmartinsfontes. Hungria, N. & Fragoso, H. C. (1977).

Jesus, D. E. de (1991). Código penal anotado. 2ª ed. São Paulo: Editora Saraiva.

Kant, I. (2002). Fundamentação da metafi sica dos costumes e outros escritos. Tradução Leopoldo Holzbach. São Paulo: Editora Martin Claret.

Kant, I. (2005). Liberdade e Natureza. Tradução de Lourdes Borges e José Heck (org.). Florianópolis: Editora UFSC.

Machado, J. C. F. (1995). Sexo com liberdade. São Paulo: Editora Vozes.

Tirado, M. (2013). Comercio Sexual. 2ª ed. Bogotá: ILAE.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Revista Vis Iuris by Universidad Sergio Arboleda santa marta is licensed under a Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional License.